Untitled Document

Basílica de Nazaré

A Basílica Santuário Nossa Senhora de Nazaré é uma das igrejas mais belas de Belém com seu estilo neoclássico e com a grande quantidade de mármore que o espaço abriga. Tem sua história misturada com a maior festa religiosa do povo paraense, o Círio de Nazaré. Ela foi erguida em 1852, no mesmo lugar em que foi achada a imagem de Nossa Senhora pelo cabloco Plácido, às margens o Igarapé Murucutu, que hoje não existe mais. Sua construção foi inspirada na Igreja de São Paulo de Roma e é a única basílica da região amazônica. Tornou-se Santuário em 2006.
Horário das missas: Segunda a sexta 7h, 8h30, 12h e 18h. Sábado 7h, 8h30, 12h e 17h. Domingo 6h30, 8h, 10h, 16h30, 18h e 20h

Localização: Avenida Nazaré – Praça Justo Chermont.

Catedral Metropolitana

Primeira igreja de Belém, dedicada a N. Sra. das Graças, foi  construída em 1748 por Antônio Landi, a Catedral Metropolitana de Belém teve seu altar doado pelo papa Pio XI. Possui 28 candelabros ingleses de bronze. A catedral é a sede da Arquidiocese de Belém, sendo parte importante da tradicional celebração do Círio de Nazaré.  Após uma missa na catedral, a imagem de Nossa Senhora de Nazaré parte em procissão  até a Basílica de Nossa Senhora de Nazaré acompanhada por centenas de milhares de pessoas.
Horário das missas: Segunda às 19h. Terça, quarta, quinta e sexta às 12h e 18h. Sábado às 8h e 19h. Domingo às 7h, 9h e 19h.
Localização: Praça Dom Frei Caetano Brandão – Cidade Velha

.

Cinema Olimpia

O Cinema Olympia foi fundado em 1912, no auge do cinema mudo internacional, pelos empresários Carlos Teixeira e Antonio Martins. Eles queriam fazer do cinema um ponto bastante frequentado pela elite paraense num ambiente moderno e luxuoso, atraindo o público do Teatro da Paz. É considerado o cinema mais antigo em funcionamento do Brasil. O Cinema Olympia, hoje, tornou-se um espaço cultural onde também há exibições de filmes.
Horário de funcionamento: Sessões gratuitas de terça à domingo às 18h30
Localização: Avenida Presidente Vargas, 918, Campina

Estação da Docas

O complexo da Estação das Docas foi criado em 2000 a partir do antigo Porto de Belém, formado por três balcões de ferro inglês da segunda metade do século XIX. Os guindastes externos, marcas registradas da Estação, foram fabricados nos Estados Unidos, no começo do século XX. Já a máquina a vapor em meados de 1800, fornecia energia para os equipamentos do porto. As ruínas do Forte de São Pedro Nolasco, onde foi construído o atual Teatro Maria Sylvia Nunes, foram originalmente construídas para a defesa da orla em 1665. O espaço foi destruído após o Movimento da Cabanagem, em 1825, e revitalizado para a inauguração da Estação. O complexo reúne cultura, moda, gastronomia e eventos nos 500 metros de orla fluvial.
Horário de funcionamento: Orla (a partir das 10h todos os dias) Armazém (a partir das 12h todos os dias)
Localização: Av. Boulevard Castilho França

Hangar (Centro de Convenções)

Inaugurado em 2007 a partir do hangar existente no antigo Parque da Aeronáutica, é um espaço flexível e multifuncional para realização de feiras, congressos, simpósios, conferências, shows e eventos diversos. O Hangar é considerado um dos mais completos e versáteis centro de convenções do País, pela sua arquitetura moderna e arrojada que dispõe de um sistema próprio de geração de energia para acionar os circuitos de emergência, escadas rolantes, hall que liga os dois pavilhões principais, e também acessos para pessoas com necessidades especiais.

Localização: Avenida Dr. Freitas - Marco

Igreja Santo Alexandre

Construída por padres jesuítas em 1698 em estilo barroco amazônico com a mão-de-obra indígena, a igreja é um dos mais importantes templos erguidos pelos padres da ordem jesuíta no Brasil. A igreja abriga o Museu de Artes Sacras de Belém (MAS) que contém belíssimas obras do século XVII a XX. Na igreja também são apresentados concertos de música, teatro e outros eventos. O Museu, criado em 1998, é o único do gênero em toda a região Amazônica. O espaço possui um rico acervo de mais de 300 peças de arte sacra e possui espaços específicos para exposição permanente, a Galeria Fidanza, o Café do Museu e a Boutique Empório das Artes, onde encontran-se à venda diversos produtos culturais da região.  Horário de visitação: Terça a Sexta de 13h às 18h. Sábados, domingos e feriados de 9h às 13h (A taxa de visitação para o Museu é de R$4,00 com meia entrada para estudantes. Às terças-feiras a entrada é gratuita)

Jardim Botânico Rodrigues Alves

Inaugurado em 1883, o Jardim Botânico Bosque Rodrigues Alves, se destaca por ser um fragmento da floresta nativa no meio urbano. Com uma área de 15 hectares de preservação ambiental brasileira, o espaço abriga mais de 80 mil espécies de flora e fauna, dentre elas animais em extinção como o peixe-boi, a arara-azul e a marianinha. O local tornou-se símbolo do embelezamento da capital da Borracha, e conserva até hoje estruturas originais do período em que foi erguido, como o monumento aos Intendentes Municipais, a estátua aos legendários guardiões da floresta Mapinguari e Curupira, o quiosque chinês, o chalé de ferro, a Gruta de Pedra-Sabão e o portão monumental da entrada principal. Em julho de 2002, o bosque ganhou status de Jardim Botânico.

Localização: Avenida Almirante Barroso – Marco

Mangal das Garças

Inaugurado em 2005, o Mangal das Garças é um parque naturalístico com vegetação e fauna da região amazônica. O espaço, que possui 40.000 metros quadrados, é considerado atualmente um dos principais pontos turísticos de Belém. Nele, os visitantes podem se deliciar com a bela vista do trapiche para o rio Guamá e com a as especiarias gastronômicas dos quiosques e do famoso restaurante “Manjar das Garças”.
Horário de funcionamento: Terça a domingo de 9h a 18h (A entrada no Mangal das Garças é franca, exceto nos espaços de visitação monitorada: Borboletário José Márcio Ayres, Farol de Belém, Viveiro das Aningas, e Memorial Amazônico da Navegação)
Endereço: rua Carneiro Rocha, ao lado do Arsenal da Marinha.

Museu da arte de Belém - MABE

Construído no século XX para ser sede Intendência Municipal, o Palácio Antônio Lemos possui um estilo chamado imperial brasileiro, um neoclássico tardio, com colunas toscanas, triângulos e simetria na fachada. No interior, estão as escadarias neogregas em mármore de lioz, dois pátios e os grandes salões. Inicialmente era chamado pelo povo de Palacete Azul devido à cor de suas fachadas. Só na década de cinquenta ganharia o nome de "Antônio Lemos", Intendente de Belém e principal responsável pelo processo de reurbanização e modernização da cidade. Em 1994 foi transformado em no Museu de Arte de Belém (MABE) e na sede do governo municipal. O Museu reúne obras de artistas locais, nacionais, e estrangeiros, fotografias, cerâmicas, esculturas e possui também um acervo de peças do mobiliário brasileiro dos séculos XIX e início do XX.
Horário de visitas: Terça a Sexta de 10h às 18h. Sábado, domingo e feriados de 9h às 13h
Localização: Praça Dom Pedro II – Cidade Velha

Museu Paraense Emilio Goeldi

Fundado em 1866, o Museu Emilio Goeldi é uma instituição especializada no estudo científico dos sistemas naturais e socioculturais da Amazônia. Abriga um parque zoobotânico com uma significativa mostra de fauna e flora regionais e recebe anualmente cerca de 200 mil visitantes nos 52 mil metros quadrados de área. É a mais antiga instituição de pesquisa da região amazônica.
Horário de funcionamento: Terça a Domingo de 9h às 17h
Localização: Avenida Governador Magalhães Barata - Nazaré

Palacete Bolonha

O Palacete Bolonha é um dos maiores reflexos do processo de urbanização de Belém no final do século XIX, fase áurea da borracha. O prédio foi construído por Francisco Bolonha para presentear sua esposa, a pianista carioca Alice Tem-Brink.  Possui estilo eclético, guardando em seu interior belas peças e riquezas da Belle-Époque, demonstrando a preocupação das elites locais com o luxo e com o belo, símbolos da modernidade e da almejada civilização.  A cobertura foi feita à "la Masard", com telhas pintadas de forma a proporcionar um bonito jogo de cores à distância Atualmente faz parte do patrimônio histórico da cidade.

Localização: Avenida Governador José Malcher, 295

Palacio Antônio Lemos

Construído no século XX para ser sede Intendência Municipal, o Palácio Antônio Lemos possui um estilo chamado imperial brasileiro, um neoclássico tardio, com colunas toscanas, triângulos e simetria na fachada. No interior, estão as escadarias neogregas em mármore de lioz, dois pátios e os grandes salões. Inicialmente era chamado pelo povo de Palacete Azul devido à cor de suas fachadas. Só na década de cinquenta ganharia o nome de "Antônio Lemos", Intendente de Belém e principal responsável pelo processo de reurbanização e modernização da cidade. Em 1994 foi transformado em no Museu de Arte de Belém (MABE) e na sede do governo municipal. O Museu reúne obras de artistas locais, nacionais, e estrangeiros, fotografias, cerâmicas, esculturas e possui também um acervo de peças do mobiliário brasileiro dos séculos XIX e início do XX.
Horário de visitas: Terça a Sexta de 10h às 18h. Sábado, domingo e feriados de 9h às 13h
Localização: Praça Dom Pedro II – Cidade Velha

Palácio Lauro Sodré

Antigo palácio do governo contruído no final do século XVII, obra do arquiteto Antonio José Landi, o Palácio Lauro Sodré foi erguido por ordem do Marquês de Pombal, que queria transferir a corte portuguesa para o Pará. No início dos anos 90 o espaço foi transformado no Museu do Estado do Pará, MEP. Como é comum nos museus históricos, o MEP reúne em seu acervo exemplares de natureza, época e estilos diversos, estando os objetos agrupados nas mais diferentes categorias. Destaca-se o acervo arqueológico incorporado a partir de 2001 e o acervo de Artes Visuais, resultado de aquisições e doações.
Horário de funcionamento: Terça a Sexta de 10h às 18hs. Sábado, domingo e feriados de 9h às 13h (Taxa para visitação de R$ 2,00. Às terças-feiras a entrada é gratuita)

Localização: Praça Dom Pedro II – Cidade Velha

Parque Residencia

Antiga residência dos governadores do Pará no século passado. É um ícone de luxo e beleza localizado no centro da cidade. O Parque da Residência abriga um orquidário com centenas de espécies amazônicas e a Estação Gasômetro, uma estrutura de ferro que pertenceu à Companhia de Gás do Pará e que atualmente funciona como teatro para 400 pessoas, além de possuir espaço privilegiado para diversos eventos. No local ainda se encontra um antigo vagão de trem da Estrada de Ferro de Bragança.
Localização: Av. Magalhães Barata, 830 (entre Trav. 14 de abril e Trav. 3 de maio)
Horário de visitação: Terça de 9h às 18hs. Quarta a Domingo de 9h às 22h (Entrada franca)

Portal da Amazônia

Com um dois quilômetros e meio de extensão à beira do Rio Guamá, é uma belíssima janela para o rio e faz parte do projeto de macrodrenagem da Bacia da Estrada Nova. Possui área de passeio, ciclovia, estacionamento, quiosques e quadras de esporte. É uma excelente opção de lazer para a família.
Localização: Cidade Velha

Praça Batista Campos

Considerada um das mais belas praças do Brasil, a praça Batista Campos possui cerca de três mil metros quadrados de belos jardins, coretos, pontes e árvores nativas. No século XIX, o terreno pertencia a Maria Manoela de Figueira e Salvaterra, sendo por isso conhecido como “Largo da Salvaterra”. Durante o governo do intendente Antônio Lemos, a praça passou a homenagear um dos principais personagens da Cabanagem, o Cônego Batista Campos. Na época o terreno era um largo singelo com algumas mangueiras e um canteiro central.

Praça República

Antigamente o local era utilizado como cemitério para escravos e população de baixa renda. Em 1889 passou a ser considerada praça após a construção de um monumento que faz alusão à proclamação da república. A estátua é de uma mulher, representando o regime democrático, com um ramo de oliveira na mão que simboliza a paz. Possui 20 metros de altura e é feita toda em mármore. Na praça encontram-se ainda três pontos importantes de Belém: o Parque João Coelho, a Praça da Sereia e o Teatro da Paz.

São José Liberto

Inaugurado em 2002 o Espaço São José Liberto é uma referência cultural, turística, comercial e do patrimônio arquitetônico de Belém. Abriga o Museu de Gemas do Pará, o Polo Joalheiro e a Casa do Artesão. O prédio principal construído no século XVIII pelos frades capuchos de Nossa Senhora da Piedade para ser o convento de São José, foi utilizado como presídio após a expulsão dos jesuítas do Brasil. O Museu de Gemas tem um acervo com mais de 4 mil peças marajoaras e tapajônicas. Na Casa do Artesão sete tipologias de artesanato exemplificam a diversidade de matéria prima e o talento dos inúmeros artistas espalhados pelo estado paraense.
Horário de funcionamento: Terça a Sábado de 9h às19h. Domingo e feriados de 10h às 19h (Museu das Gemas, R$ 4,00 /Às terças-feiras a entrada é gratuita)    
Localização: Praça Amazonas, avenida 16 de novembro – Jurunas

Teatro da Paz

Construído em 1878 no período áureo da borracha em Belém, momento em que a região teve um crescimento econômico bastante significativo, o Teatro da Paz encanta com seus elementos decorativos revestidos de ouro, lustres de cristal, acústica perfeita, piso de madeiras nobres e diversas obras de arte. Foi a primeira casa de espetáculos da Amazônia. Sua estrutura foi inspirada no Teatro Scalla de Milão, na Itália, e comporta 1100 lugares. É considerado o maior teatro da região norte e um dos mais luxuosos do Brasil.
Horário de funcionamento: Terça a Sexta de 9h a 17h. Sábado de 9h às 12h.  Domingo de 9h a 11h. A taxa de visitação para o Museu do Encontro é de R$ 4,00 com meia entrada para estudantes) Localização: Av. Da Paz - Praça da República

Ver o Rio

Com 5000 metros quadrados com vista para a baía do Guajará, o Complexo do Ver-o-Rio é um convite ao encantamento amazônico. O espaço abriga o Memorial dos Povos Indígenas, lago temático com pedalinhos, espaço gastronômico com barco-restaurante e orla para a contemplação do rio.
Localização: Avenida Pedro Álvares Cabral, próximo à Estação das Docas)